comunicacao@igrejacristaevangelica.com.br
+55 (62) 3318-2092

2016-03-10 09:50:28

Os jovens da ICEB conhecem a Bíblia?


Temos orgulho de ser uma igreja tradicional histórica, com uma doutrina ortodoxa, um dos maiores seminários do país, e uma excelente editora dedicada a educação cristã que atende mais de 15 mil igrejas. Entretanto, com todas essas virtudes denominacionais, às vezes me perguntam se os jovens da ICEB conhecem a Bíblia.
Dependendo do contexto, talvez consigamos dar duas respostas para essa pergunta. Numa primeira situação, em que diríamos orgulhosamente um “SIM!”, seria dentro de um contexto em que criticamos os movimentos carismáticos no evangelicalismo moderno. Formado principalmente por pessoas que acreditam na teologia da prosperidade, especialistas em posicionamento geográfico dos demônios, e homens que acreditam que podem ativar realidades espirituais por meio da repetição de imperativos a Deus. Certamente, em comparação a essas pessoas, somos profundos conhecedores da Palavra de Deus, nossa doutrina é totalmente bíblica e completamente coerente.
Todavia, existe uma outra situação em que podemos responder essa pergunta com um vergonhoso “NÃO!” (Na verdade já ouvi muitos pastores e jovens responderem com um certo pesar e indignação que uma grande parte dos jovens da nossa Igreja não conhecem a Bíblia). Mesmo correndo o risco de fazer um generalização injusta, é tempo de olhar com atenção para o fato de que infelizmente existem muitas situações em que nossos jovens não são capazes de manejar bem a Palavra da Verdade. Um pastor da ICEB desconfiava que isso fosse uma realidade e quis fazer um teste de conhecimentos bíblicos na classe de jovens da escola bíblica. E para isso usou um questionário normalmente aplicado às crianças e o deu para a mocidade responder. O resultado foi surpreendente: os jovens apresentaram um resultado insatisfatório e muito inferior a média que as crianças geralmente obtêm no teste. Como se isso não bastasse, muitos jovens não conhecem não somente a Bíblia, mas também as principais doutrinas da fé cristã. Certa vez, ouvi a seguinte explicação da doutrina da justificação por alguém que foi criado desde o nascimento na ICEB: “Justificação é quando Jesus chega diante de Deus e explica a razão da gente ter pecado, ou seja, ele 'justifica' o nosso pecado diante de Deus”. Um tema tão importante como este (Justificação pela fé foi a principal doutrina defendida pela Reforma Protestante) deveria ser algo conhecido muito bem por todos os crentes. Essas estórias seriam engraçadas se não fossem trágicas, e é triste ver o desprezo que muitos jovens têm pelo estudo mais profundo das Escrituras, chegando até mesmo a tratar de forma depreciativa uns poucos que são zelosos em aprender a Santa Palavra Inspirada.
A maravilhosa estrutura de ensino que a Denominação dispõe, e a condição econômica mais tranquila que nos permite adquirir livros, mais a participação de congressos e conferências e o acesso que temos a internet, facilita muito a busca ao conhecimento das Escrituras. Isso é muito bom, entretanto, nos dá uma grande responsabilidade diante de Deus. Nosso Senhor, que não é injusto, jamais aceitará de nós nada menos que nosso melhor. E com tantas oportunidades, é muito certo que Ele não deseja que a Mocidade Cristã Evangélica do Brasil se orgulhe por saber mais que aqueles que pregam outro evangelho. E Ele cobrará de nós bem mais do que estar acima da mediocridade dos insensatos. É prudente que não deixemos que as nossas qualidades denominacionais nos façam ter olhos altivos, pois tais bençãos fazem recair sobre nós uma enorme responsabilidade perante Deus. E com o coração humilde devemos nos voltar para a Palavra de Deus, porque ainda temos muito o que aprender com a Bíblia.



2016-03-01 10:21:37

A missão de levar a mensagem cristã aos jovens

Nossa Confissão de Fé é clara: “Cremos na salvação eterna somente pela graça de Deus mediante a fé no sacrifício expiatório de Nosso Senhor Jesus Cristo(...)”. E devemos anunciar isso a todos os homens de modo que eles entendam. Essa é nossa missão como Cristão Evangélico.
Mesmo que a gente discorde veementemente, de que a “verdade é relativa”, infelizmente, o Mundo hoje considera que essa afirmação é uma verdade absoluta. Isso traz algumas consequências, especialmente no âmbito do significado das palavras, logo no modo que as pessoas entendem a mensagem do Evangelho e na maioria da vezes nossas palavras não têm significado para aqueles que as ouvem, e assim não conseguimos anunciar mensagem alguma.
Para resolver isso, alguns entenderam que para pregar aos jovens deveriam usar giras durante os sermões, músicas com ritmos mais contemporâneos e brincadeiras atuais. Contudo, a mudança que o pós-modernismo trouxe a esta nova geração é muito mais profunda que o simples uso de palavras e expressões novas, mas o modo com as pessoas e entendem o código também foi mudado, existe um chamado “relativismo semântico”. As palavras passaram a ter diferentes significados, pois o homem “não é uma tabua rasa”, a interpretação dos termos vai ser relativa ao contexto e experiência do indivíduo. E ainda que usemos as mesmas palavras que os jovens da nossa geração, cada um deles interpreta o código de uma forma peculiar, podendo não interpretar a mensagem original com ela foi emitida. Por exemplo: se você pergunta para um rapaz se ele “ficou” com uma moça: Esse “ficar” pode ter o significado de “permanecer na presença”, “beijar” ou até mesmo ter “relações sexuais”. Ou se eu digo, que o “amor vence”. Um cristão, que sabe que Deus é amor, diria que é verdade e um homossexual que pensa que todas as formas de “amor” são validas também concordaria comigo.
Esse relativismo no significado das palavras é negligenciado por muitos que tentam ser “descolados” para atrair os jovens para suas programações. E de forma muito ingênua acreditam que estão comunicando uma mensagem contextualizado porque falam “zap-zap” e “mano” em seus sermões. No entanto o que é ensinado nem sempre é aprendido pelo povo que ouve, pois suas bases epistemológicas são diferentes.
Diante dessa barreiras na comunicação, especialmente com o jovens, somente a exposição clara do texto bíblico pode nos fazer comunicar com os jovens a verdadeira Mensagem. E exposição não são histórias e nem muitas piadas e sim ler um texto e explicar exatamente o que está escrito. Ao se pregar para os jovens devemos dizer muito claramente que “culpa” não é um meramente “se sentir mal”, mas a condição que nos tornou totalmente merecedores da ira de Deus por causa dos nossos pecados voluntários. Além disso as ditas “linguagens poéticas” com significados subjetivos de alguns cânticos congregacionais também devem ser evitadas. Se cada um interpreta as palavras ao seu próprio modo, é preciso ter certeza que as letras das músicas só podem se referir ao Deus bíblico da tradição Judaico cristã, não uma entidade qualquer projetada pela mentes dos ouvintes.
É claro que acreditamos que existe uma verdade absoluta pois Jesus é a Verdade. Mesmo assim, o povo que desejamos que se converta, pensa de modo diferente. Não podemos negligenciar a visão de mundo dos que estão perdidos, ou nossas mensagens serão semelhante a elegante “roupa do rei” do conto, linda, mas somente os inteligentes poderão ver (ou só quem pensa igual poderá entender).
Pregar a Palavra fielmente é muito mais difícil, pois expor um texto envolve muito mais tempo de estudos de que um sermão cheio de piadas. Mas Deus, que conhece todos os tempos, inspirou Paulo a escrever como deveria ter nos sermões para que os jovens do Século XXI entendam: “Prega a Palavra, insta, quer seja oportuno quer não” 2 Tm 4:2.

2016-02-15 08:40:36

Jesus Único Caminho para a Juventude

Sugestões de Programações:

a)-Debate sobre exclusivismo Cristão.
Promover um debate sobre Jesus ser o UNICO caminho, tentado responder perguntas como: “É injusto alguém que foi bom a vida inteira ir por inferno porque não foi pra igreja?”, “Quem nunca ouviu falar de Jesus vai pro inferno”, “Dizer que Jesus é o UNICO caminho é uma imposição cultural”, “ Existem vários caminhos e Jesus é só mais um deles”, “Jesus só queria que a gente se amasse, não quis criar uma religião” e etc..

b) Convidar Grupos Como ABU(Aliança Bíblica Universitária) ou MPC(Mocidade para Cristo) para divulgar o trabalho deles em um dos cultos de domingo
ou programação de Jovens
Existem bons trabalhos de evangelização com os jovens promovidos por estes grupos, sugerimos que a igreja seja apresentadas a eles e tentem fazer um projeto conjunto com eles para alcançar a comunidade.

c) Clube do Livro:
Com o objetivo de preparar os jovens para o contexto universitário segue indicações de alguns livros. Esperamos que eles ajudem os jovens em crises de fé e os prepare para debates apologéticos, evangelismo no contexto pós moderno e relativista e os dê um incentivo a vincular o cristianismo com suas respectivas aéreas de atuação de modo que sejam instrumentos de Deus para redimir nossa cultura.
Sugerimos que se faça um clube de discussão destes livros ou que eles sejam disponibilizados para os Jovens:

1-Evangelho Explicito, Matt Chandler e Jared Wilson Ed Fiel
2-Crer é também pensar, Jonh Stott, Ed ABU
3-Cristianismo puro e Simples, C.S Lewis, Ed. Martins Fontes
4- Apologética para questões difíceis da vida, Willian Lane Craig, Ed. Vida Nova
5- Apologética Cristã no século XXI, Alister McGrath, Ed Vida
6-Fé na Era do Ceticismo, Tim Keller, Ed. Vida Nova
7-Não Tenho Fé suficiente para ser Ateu. Norman Geisler e Frank Turet, Ed Vida
8-Fé Cristã e Cultura contemporânea, Vários autores, Ed. Ultimato
9-Deus que intervém, Francis Schaffer Ed. Cultura Cristã
10-O Livro que fez seu mundo: Como a Bíblia Criou a Alma da civilização ocidental, Vishal Mangalwadi Ed. Vida

Sermões:

A Sugestão de sermão para os Jovens é que eles sejam expositivos e quando temáticos sejam para explicar uma doutrina básica e fundamental do Cristianismo.
Temos verificado que nas visitas da COMOCEB que as Palavras direcionadas as jovens tem sido pouco profundas e não bíblicas mas cheias de histórias e piadas. Isso é lamentável. Alem disso verificamos que os jovens precisam de um conhecimento sistemático do cristianismo, para rebater as ideologias que lhes serão apresentadas nas escolas e universidades. Percebemos que sermões legalistas sobre “não ficar” e que “não pode ouvir musica do mundo” não tem sido eficientes para alimentar os jovens da foram que precisam. Acreditamos que a Palavra de Deus é o meio que o Senhor escolheu para produzir fé nos corações dos homens, por essa razão ela deve ter explicada de forma fiel e contextualizada. Ainda que testemunhos de como os jovens foram importantes em determinados contextos históricos sejam uteis para emocioná-los, cremos que é ensino bíblico que aquecerá o corações do Jovens da nossa Denominação.

Descobrir as origens da Igreja Cristã Evangélica do Brasil (ICEB) é como descobrir a fonte de um rio. Em geral, muitas fontes contribuem na formação de um rio, cada uma fornecendo a sua quota de água. O mesmo se deu com o início da ICEB.

Leia Mais