A importância da Escola Bíblica Dominical

Qual a importância da Escola Bíblica Dominical? Deveríamos continuar investindo nesta forma de ensino na igreja hoje?

Figura 1  A Escola Dominical de Robert Raikes
Figura 1 A Escola Dominical de Robert Raikes

A Escola Bíblica Dominical foi fundada em 20 de julho de 1780 na cidade de Gloucester, na Inglaterra. Como ainda não havia escolas públicas, as crianças pobres trabalhavam doze horas por dia nas fábricas da região. O único dia livre era o domingo.


O jornalista Robert Raikes teve a ideia de criar uma escola que funcionasse aos domingos e ensinasse fundamentos cristãos, boas maneiras, moral e civismo. O trabalho cresceu e em três anos já havia 7 escolas com média de 30 alunos cada. O trabalho começou nas casas, mas logo passou a funcionar nos templos. Já em 1784 contava com 250 mil alunos matriculados. A transformação a longo prazo foi tão grande que em 12 anos não existia nenhum criminoso para ser julgado.


Raikes foi acusado pelos religiosos de sua época de “profanar o Dia do Senhor”. No parlamento, em 1800, chegou a ser apresentado um decreto para proibir o funcionamento das Escolas Dominicais em toda a Inglaterra. O decreto jamais foi aprovado. Ao invés de ser abolido, o projeto foi fortalecido e em 1811, ano da morte de Raikes (morreu no dia 05/04), já se espalhara para outras partes do mundo. Na Inglaterra já contava com 400 mil alunos. No ano de 1831, a Inglaterra atingiu o número de 1.250.000 alunos matriculados, aproximadamente 25% dos ingleses da época.


No Brasil, a Escola Bíblica Dominical (EBD) teve início no dia 19 de agosto de 1855 com o Dr. Robert Kalley e sua esposa D.a Sarah Poulton, casal de missionários escoceses, que receberam 5 crianças em sua residência na cidade de Petrópolis, Rio de Janeiro. Esse trabalho deu início a Igreja Evangélica Fluminense, embrião da Igreja Congregacional[1].


O pastor Antônio Gilberto disse que Raikes mal sabia “que estava lançando os fundamentos de uma obra espiritual que atravessaria os séculos e abarcaria o globo, chegando até nós, a ponto de ter hoje dezenas de milhões de alunos e professores, sendo a maior e mais poderosa agência de ensino da Palavra de Deus de que a Igreja dispõe”.


Não quero valorizar a forma mais que a essência, mas defendo a escola dominical como o principal veículo de instrução da igreja por causa do(a):


1. Valorização da história. No nosso caso, Igreja Cristã Evangélica do Brasil, honramos o Dr.Kalley e D.a. Sarah.


2. Compromisso denominacional. O nosso regimento, no Artigo 1º, no ponto de número VI, diz que para um grupo de cristãos evangélicos poder se organizar como igreja e se filiar à ICEB deverá, entre outras condições, “possuir Escola Bíblica Dominical em funcionamento”.


3. Valorização do estudo bíblico. A igreja que adota a EBD alcança um maior número de cristãos só pelo fato de, tradicionalmente, se reunirem aos domingos.


Pr. Eduardo Bittencourt

2º Vice-presidente da ICEB

Pastor da ICE Brasília

@preduardo23

[1] Dados extraídos do site: https://escola-ebd.com.br/historia-da-escola-dominical-no-brasil/