Horário de Funcionamento:

Segunda a sexta das 7h30 às 11h30 e das 13h30 às 17h30

Avenida Bernardo Sayão, 400
Jardim das Américas 1ª Etapa
Anápolis - GO 75070-020

Siga-nos nas redes sociais:

Logo Sem Fundo Branca.png

EVANGELIZE A PARTIR DO PÚLPITO

Toda pregação evangeliza de alguma forma. O Espírito Santo sempre usa as palavras que Ele mesmo inspirou para atingir o coração e a mente do ouvinte. A espada do Espírito continua sendo a Palavra de Deus (Ef. 6.17), e essa, como um todo, segue um caminho missionário e salvífico. A experiência das igrejas e dos pregadores têm demonstrado que, independentemente da porção da Bíblia ministrada, há maravilhosas histórias de salvação acontecendo. A Palavra de Deus é viva, eficaz e penetrante (Hb. 4.12) e ela sempre cumprirá o seu propósito. Não devemos ficar surpresos quando alguém for alcançado por Cristo através de qualquer porção da Escritura. A Bíblia toda, e não somente uma parte dela, não somente textos seletos, são instrumentos de Deus para salvar o pecador.


É preciso pregar mensagens que doutrinem, que exortem, que despertem para o trabalho, mas é preciso resgatar a pregação inteiramente evangelística em nossos púlpitos, a pregação com mais frequência de mensagens inteiramente evangelísticas.


Por que devemos então resgatar a pregação evangelística?


A pregação evangelística é uma ordem muito clara na Bíblia


Paulo orienta ao jovem Timóteo que faça o trabalho de evangelista (2 Tm 4.3). Tanto ele quanto nós, os pastores de hoje, devemos cumprir cabalmente esse ministério a nós confiado.


Para uma pessoa ser salva e livrar-se da condenação eterna, ela precisará ouvir com clareza a Palavra de Deus. Através de perguntas instigante, Paulo desafia os seus leitores: Como invocarão aquele em que não creram? E como crerão naquele de quem nada ouviram? E como ouvirão se não há quem pregue? (Rm 10.14). A fé não nasce num vazio. O evangelho tem que ser verbalizado com toda clareza para atingir o homem na sua inteireza, para gerar a fé salvadora. Os pecadores não crerão enquanto não tiverem ouvido uma exposição clara das Escrituras. Se não houver pregação, não haverá salvação.


A pregação evangelística é uma demonstração de sintonia com o amor de Deus


Deus é amor; e foi amando o mundo que Ele enviou seu filho (1 Jo 4. 8; Jo 3.16). No ato e esforço de evangelizar nos unimos a este Deus amoroso para a salvação do pecador. Pastores e pregadores amorosos não se sentirão realizados e completos se pregarem apenas sermões que edifiquem a sua igreja, mas serão compungidos a pregar mensagens evangelísticas de tempos em tempos; mensagens evangelísticas do começo ao fim.


A pregação evangelística desperta os crentes para o evangelismo pessoal


A experiência da igreja tem demonstrado que há muita alegria nos corações dos salvos ao verem pessoas sendo salvas e em recapitularem a história de sua própria salvação. Então, os membros de nossas igrejas não se sentirão desconfortáveis se, de vez em quando, pregarmos sermões evangelísticos.


Também, ao ouvirem do púlpito mensagens evangelísticas, eles se sentirão impulsionados a evangelizar também. O que é plantado no púlpito germina na congregação. Assim, mesmo que o lugar mais adequado para a evangelização seja lá fora onde os pecadores estão, devemos fazê-lo também do lado de dentro, tanto para salvar os que ainda não são salvos, como para inflamar os corações do salvos para evangelizarem lá fora.


A pregação evangelística leva o pregador a ver Jesus em toda a Bíblia


Muitos pregadores reclamam que há poucos sermões evangelísticos na Bíblia, por isso pregam tão pouco nesse sentido. No entanto, se procurarmos bem encontraremos Deus salvando o tempo todo, de Gênesis a Apocalipse. A Palavra revelada é uma fonte inesgotável do caminho missionário de Deus. A mensagem salvadora já está no Jardim do Édem (Gn 3.15), no chamado de Abraão, na libertação de Israel do Egito (Gn 12), no cerimonial, no cordeiro pascal (Êx 12), na voz apaixonada dos profetas. Os evangelhos nos mostram três anos de ministério do Senhor Jesus, salvando o tempo todo, pois o Filho do Homem veio buscar e salvar o perdido (Lc 19.10). No livro de Atos observamos com entusiasmo as pegadas salvadoras de Jesus na vida de seus enviados. As Epístolas não falam de outro assunto a não ser do amor de Cristo estampado na cruz. O livro de Apocalipse, por sua vez, talvez seja o livro mais evangelístico de toda a Bíblia, pois ali Jesus já reina e há convites maravilhosos para o pecador.


Deus requer que cada ministro e pregador seja um servo obediente. E parece não haver um caminho mais excelente do que este, o de pregar a Escritura evangelisticamente, com sermões bem preparados e expostos debaixo de oração, pois ele pode ter reflexos na eternidade como nenhum outro ministério e ofício.


Evangelizar a partir do púlpito é de uma relevância muito grande e de uma urgência enorme. Comecemos já.

Pr. Luiz César Nunes de Araújo

Presidente da ICEB