Homens capacitados, famílias estruturadas

Em nossa história contemporânea um dos assuntos que está em alta é o papel que o homem e a mulher devem ou não exercer. A execução incorreta destes papéis gerou distúrbios insurgentes como machismo, feminismo, omissão de responsabilidades, inversão de papéis, acomodação e muitas outras afrontas ao status quo. Estes distúrbios são a causa da desestrutura que encontramos em muitas famílias.


Acredito que a omissão do homem em sua responsabilidade no lar tem sido extremamente danosa à família. Esta omissão não é recente, apesar de ter se agravado nas últimas décadas; e não é muito difícil descobrir onde tudo isso teve início. Sim, teve sua origem na queda do homem no Jardim do Éden, quando a mulher foi enganada (1Tm 2.14) e o homem cometeu seu grande erro: a omissão quanto à responsabilidade que lhe cabia (Gn 2.15,16; Gn 3.6). O homem havia sido criado de forma perfeita, à imagem e semelhança de Deus (Gn 1.27), mas com o advento do pecado esta imagem no homem foi destorcida.


Neste texto entendemos que o pecado é a razão pela qual o homem tem perdido sua capacidade de liderar, pois a pecaminosidade afeta o conceito pessoal de masculinidade e a distância da intensão original de Deus, bem como o faz perder os absolutos e aderir ao relativismo crescente. Assim o homem vive de acordo com sua própria sabedoria em relação a masculinidade e por isso erra, pois seu coração é desesperadamente corrupto (Jr 17.9). Outros homens cometeram erros nos papéis de liderança que tiveram como Abraão, que se acovardou e expôs sua mulher (Gn 20), Davi ao cometer adultério trouxe severas consequências à sua família (2Sm 11-16) e assim é com todo homem que se inclina a carne.


Apesar das consequências da queda do homem, temos em Cristo a oportunidade de restauração desta imagem que foi manchada pelo pecado. Nele encontramos a personificação da verdadeira masculinidade e através dele somos capacitados a vivê-la de forma verdadeira. O apóstolo Paulo em Gálatas 4.19 nos mostra o caminho pelo qual precisamos trilhar para a restauração de nossa missão que é “Cristo ser formado em nós”.


Toda capacidade para liderar uma família pode ser encontrada em Cristo. Um homem que deseja ser o sacerdote do lar precisa estar em Cristo, pois sem Ele nada é possível fazer (Jo 15.6). A união com Cristo gera bons frutos e por isso concordo com J. C. Ryle quando diz: “A união com Cristo que não produz qualquer efeito sobre o coração e a vida não passa de uma união meramente formal, indigna diante de Deus”.[1]


Nossa caminhada com Cristo e o estudo criterioso da Palavra de Deus são os meios excelentes e suficientes para a capacitação nesta reorganização de função como sacerdotes do Senhor. Toda capacitação vem de Deus e muitos homens experimentaram da instrumentalidade nas mãos do Senhor. Paulo ao compartilhar sua experiência com os irmãos de Corinto relatou: “E é por intermédio de Cristo que temos tal confiança em Deus; não que, por nós mesmos, sejamos capazes de pensar alguma coisa, como se partisse de nós; pelo contrário, a nossa suficiência vem de Deus (2Co 3.4,5).”


A sociedade, a igreja e a família precisam de homens segundo o padrão de Deus. Somente com a capacitação dele é possível mudar o conceito de masculinidade proposto pelo mundo e transformar o contexto no qual o homem está inserido. Quanto mais o homem se espelhar em Cristo, com o auxílio do Espírito Santo, mais ele viverá a masculinidade sadia que Deus quer que ele desenvolva.


Pr. Cícero F. Muniz

ICE do Gama-DF

@prciceromuniz

[1] Ryle, J. C. Santidade. Ed. Fiel, pág 46.