top of page

MISSÕES E A PERSEGUIÇÃO RELIGIOSA

Lembrai-vos da palavra que eu vos disse: não é o servo maior do que seu senhor. Se me perseguiram a mim, também perseguirão a vós outros; se guardaram a minha palavra, também guardarão a vossa. (Jo 15:20)


Observando as palavras de João aprendemos que para o verdadeiro cristão a perseguição é inevitável. Em outras palavras, Jesus disse: “Os que me seguirem serão perseguidos”. Os seguidores de um mestre que foi perseguido também serão perseguidos.


Perseguição religiosa nos nossos dias


Não cito, neste artigo, nenhum país onde a MCE atua pelo nome por questão de segurança, mas de forma geral me refiro a estas nações onde há perseguição.


Quando falamos da igreja perseguida pensamos naqueles lugares do mundo onde os crentes são perseguidos com dureza e até violência física por causa de sua fé. No entanto não podemos limitar a perseguição a essas situações extremas, pois a Bíblia não limita sua definição de perseguição a certos níveis de gravidade. Formas menores de oposição aos seguidores de Cristo também estão incluídas.


O texto de Mateus 5.11 nos esclarece sobre isto: Bem-aventurados sois quando, por minha causa, vos injuriarem, e vos perseguirem, e, mentindo, disserem todo mal contra vós (Mt 5.11). Jesus cita, nesse versículo, três categorias de oposição. A primeira e a terceira são exclusivamente verbais, e a segunda inclui agressões verbais e físicas. Quando um crente é maltratado de forma irônica ou abusiva por causa da sua fé em Cristo, ele está, nesse momento, sofrendo perseguição. Por isso nossos missionários lidam dia a dia com perseguição religiosa desde o continente sul-americano, norte da África, sudeste da Ásia até à Ásia oriental.


Quais são os efeitos da perseguição?


A perseguição realmente traz o crescimento da igreja?


É verdade que, em alguns lugares, a Igreja cresceu significativamente mesmo em meio a intensa perseguição. No entanto, o contrário também é verdadeiro. Em muitas vilas, cidades no norte da África, em que existiram igrejas cristãs, resta apenas uma dispersão de cristãos. No Oriente Médio, nos últimos cem anos houve intensa perseguição aos cristãos ceifando muitas vidas e forçando milhares de pessoas a deixarem a região.


Quando a perseguição é contada apenas como uma história de heroísmo, esconde o fato de que os cristãos que vivem no contexto de perseguição são pessoas que precisam da nossa oração, cuidado e cooperação. E esses relatos ainda motivam os cristãos perseguidos a apenas compartilharem seu heroísmo ou milagres de livramento, e a esconderem a profundidade de seus sofrimentos e lágrimas. Uma igreja sofredora não pode sofrer sozinha, seus sofrimentos precisam ser compartilhados pelo restante do corpo de Cristo.


Sofrendo e glorificando a Deus


No evangelho de João, cap. 12.24-28, Jesus afirmou que se o grão de trigo não morresse ficaria só, mas morrendo daria muitos frutos. Finalmente Jesus orou declarando seu desejo de que através do seu sofrimento e morte o Pai celestial fosse glorificado. Intimamente identificada com o seu Senhor a igreja perseguida segue adiante, em meio ao sofrimento, dando o seu testemunho fiel, sendo provada e glorificando a Deus. E, pelo poder do Espírito Santo, a palavra proclamada pelos seus discípulos também terá seus benditos resultados assim como teve a palavra de Cristo.


O suor dos obreiros, o sangue dos mártires, não é derramado em vão. O sacrifício dos que plantam igrejas em meio à perseguição permanece diante do nosso Deus como oferta agradável, glorificando o Seu Santo Nome entre as nações.


 

Pr. Jadir Siqueira

Diretor da Missão Cristã Evangélica (MCE)

Pastor da ICE Boas Novas – Anápolis - GO


Comments


bottom of page