top of page

ORAÇÃO, UM SINAL DE DEPEDÊNCIA E COMUNHÃO

Alguns oram cinco minutos por dia e se consideram “homens de oração”. Outros  gastam muito mais tempo de joelhos na presença de Deus e dizem: “preciso orar mais”. Um fato incontestável é este: igrejas que crescem gastam muito tempo em oração.

 

     Sobre a oração, Jesus fez basicamente duas coisas: orou muito e incentivou muitos a orar. E orar é mais importante do que escrever sobre oração. Mas agora não é hora de orar, mas de escrever.

 

     Não temos receita pronta e infalível. Temos um princípio que nos ajuda muito. Tirar da mente que oração é um recurso do tipo “disk-emergência” para Deus, no sentido de Deus ser aquele “médico socorrista” ou “paramédico”, que está sempre pronto a atender aos nossos chamados de emergência, em momentos de angústia, perigo, dor e necessidades; é colocar na mente e no coração que oração é comunhão, é dependência.

 

     Perceba o valor que Davi tinha de estar na presença de Deus: “SENHOR, não é orgulhoso o meu coração, nem arrogante o meu olhar. Não ando à procura de coisas grandes, nem de coisas maravilhosas demais para mim. Pelo contrário, fiz calar e sossegar a minha alma. Como a criança desmamada se aquieta nos braços de sua mãe, assim é a minha alma dentro de mim. Espere, ó Israel, no SENHOR, desde agora e para sempre” (Sl 131.1–3). Se a criança está “desmamada”, não toma mais leite materno, o que ela está fazendo nos braços da mãe? Está apenas se contentando em ter o prazer de estar perto, nos braços da mãe. Ela não quer o leite, quer apenas a presença da mãe.

 

     Oração não é apenas buscar as bênçãos e os favores de Deus, mas também buscar a presença Dele. Em outro Salmo, o mesmo Davi escreveu: “Ao meu coração me ocorre: Buscai a minha presença; buscarei, pois, SENHOR, a tua presença” (Sl 27.8).

 

    Oração requer tempo. O tempo que separamos para oração será uma boa medida do nosso conceito da importância da comunhão diária com Deus. Para muitos, o excesso de trabalho é uma razão para reduzir o tempo de oração. Para Lutero, trabalho extra era um argumento forte para aumentar o tempo gasto em oração. Certa vez alguém lhe perguntou a respeito de seus planos para o dia seguinte, e Lutero respondeu: "Trabalho, trabalho, de manhã até a noite. De fato tenho tantas coisas a fazer que vou gastar as três primeiras horas do dia em oração".

 

    Oração requer autodisciplina. Quanto menos temos o desejo de orar, mais precisamos exercer disciplina para orar. A disciplina da oração é que nos leva à obra mais profunda e mais elevada do espírito humano. A oração verdadeira cria e transforma a vida. Orar é mudar. A oração é a avenida central que Deus usa para transformar-nos: "Quanto mais nos aproximamos do pulsar do coração de Deus, tanto mais vemos nossa necessidade e tanto mais desejamos assemelhar-nos a Cristo" (Richard Foster). Você pode ler todos os livros e manuais a respeito da oração e ouvir outras pessoas orar, mas enquanto você mesmo não começar a orar, nunca entenderá a oração. Lutero disse: "Do mesmo modo que o negócio do alfaiate é fazer roupas, e o do sapateiro é fazer sapatos, assim o negócio do cristão é orar". Dwight L. Moody disse: "Devemos ver a face de Deus todas as manhãs antes de vermos a face do homem. Se suas muitas ocupações não lhe deixam tempo para oração, fique sabendo que você tem mais negócios em mãos do que Deus tencionava que tivesse".

 

    Jesus Cristo - O exemplo supremo de Oração. Se Jesus orou, o que dizer de nós? Quando as obrigações aumentavam e Ele se via em face de grandes decisões, Ele se afastava do grupo para orar sozinho. 1) Orou quando foi batizado (Lc 3.21); 2) Orou no deserto após atividade intensa (Lc 5.16); 3) orou a noite toda, em um monte, antes de fazer a escolha dos doze apóstolos (Lc 6.12); 4) orou após a multiplicação dos pães (Lc 9.18); 5) orou na transfiguração (Lc 9.28-29); 6) orou no inesquecível e histórico Getsêmani (Lc 22.39-46).

 

     Há inúmeras frases sobre oração. Essa é uma das melhores: “não ore até Deus te ouvir, mas até você ouvir a Deus”.

 

     Se para nós a oração não for apenas uma busca pelo socorro de Deus, mas, também, o prazer de estar na presença Dele, experimentaremos o que Davi escreveu no Salmo 16.11: “na tua presença há plenitude de alegria, à tua direita, há delícias perpetuamente”.

 

      Deus nos abençoe e nos guarde com saúde e paz!


 

Pr. José Humberto

ICEB Riviera, Goiânia

 

Yorumlar


bottom of page