top of page

Sua família tem comunhão com a Igreja?

Como responder a uma pergunta tão importante? A resposta positiva depende de alguns sinais. O primeiro deles é a fidelidade na frequência à Igreja. O salmista disse: “Alegrei-me quando me disseram: “Vamos à Casa do Senhor” (Sl 122.1). Somos assíduos na Igreja? Pai, mãe, somos fiéis em frequentar a Igreja? Muitas vezes citamos esse versículo de cor sem pensar no que estamos dizendo. Devemos cuidar dos nossos corações e renovar a nossa alegria em ir à Casa do Senhor para juntos cultuarmos o nosso Deus.


Outro sinal é se todos de nossa casa vão para a Igreja. “Eu e a minha casa serviremos o Senhor”, exclamou Josué (Js 24.15b). Essa é mais do que uma escolha, é uma decisão. Como responsáveis pelas nossas casas, temos regras para colocar ordem e manter nosso lar saudável. Temos regras como: “Se foi você que sujou, é você que limpa” ou “Jogos somente depois de terminar as tarefas”. Também precisamos manter a ‘regra’ de que todos de casa vão para a Igreja. Essa regra ajuda a manter os corações e as atitudes dos nossos lares saudáveis.


Acrescenta-se a isso o preparo físico e emocional. Vamos cuidar dos compromissos de sábado à noite para manter o nosso objetivo do dia seguinte, e o ideal é deixar tudo organizado em casa visando facilitar a saída no domingo de manhã. Se conseguimos sair na hora os outros dias da semana para nossos empregos e estudos, vamos deixar o culto com a importância que deve ter. Nada é mais necessário para uma vida plena quanto a nossa vida espiritual baseada em nosso relacionamento com Deus. E a Igreja faz parte disso.


A participação dos momentos de ensino nas classes bíblicas da Igreja também ajuda no desenvolvimento da comunhão. Lucas nos informa no seguinte texto: Creia no Senhor Jesus e você será salvo — você e toda a sua casa. E pregaram a Palavra de Deus ao carcereiro e a todos os que faziam parte da casa dele.” (At 16.31,32). Devemos ir para Escola Bíblica Dominical (EBD) porque é um momento especial de ensino que as nossas Igrejas oferecem com ensino diferenciado para todas as idades. Cresci cantando uma musiquinha que fala que “todo mundo deve ir à EBD”. Minha mãe nos acordava com ela no domingo de manhã e cantávamos no carro indo para a Igreja. Mesmo sendo uma musiquinha infantil, e com meus próprios filhos grandes já, a mensagem é igual. Todo mundo deve ir à EBD. “As mamães, os papais, os meninos e as meninas...todo mundo deve ir à EBD”. A Escola Dominical é um momento importante de nos engrenar na Igreja, criar amizades e interagir com outros e com o ensino da Palavra de Deus. Mas não deixe parar aí, ao sair da Igreja pergunte a cada um (todos, de criança ao idoso!) o que aprendeu na Escola Dominical. Trazer à memória reforça o ensino e abre espaço para ótimas conversas. É um momento em que se pode sanar dúvidas, especialmente para os tímidos que talvez não queiram comentar nas aulas. Um benefício dessas conversas é que elas mostram o fato de que cada um pode aprender da Palavra de Deus, não importa a idade.


Igualmente importante é a valorização dos momentos de comunhão com os demais irmãos da Igreja. “Oh! Como é bom e agradável viverem unidos os irmãos!”, anunciou o salmista (Sl 133.1). Nós, os pais, estamos exemplificando isso? Estamos alegres em ir à Igreja? Temos amigos e boas conversas? Uma boa dica é buscar ficar um pouco mais de tempo após o encerramento do culto e participar das conversas. Não saiam correndo para comer, irmãos! Aproveitem as conversas. Esse tempo de comunhão é precioso.


Por fim, percebemos que há comunhão com a Igreja quando a proximidade com os irmãos vai além do espaço físico do templo e suas dependências. “Você as inculcará a seus filhos, e delas falará quando estiver sentado em sua casa, andando pelo caminho, ao deitar-se e ao levantar-se”, aprendemos com Moisés (Dt 6.7). A quem convidamos para sentar-se conosco em casa? E com quem nós nos sentamos? Com quem andamos? Vamos priorizar a família da fé – os irmãos da Igreja! Convide alguém da Igreja para lanchar junto com você depois do culto, ou marque um jantar em casa para conhecê-los melhor. Pode escolher uma família nova, ou uma família com filhos da mesma idade e incentive seus filhos a convidarem os amigos da Igreja para passar uma noite em sua casa, com direito a pizza e jogos. Uma ótima ideia é falar com os professores de EBD dos filhos, ou com os líderes dos jovens, e se voluntariar para receber o grupo em casa. Isso ajuda todos a criarem mais vínculos e os líderes vão amar.


Agora eu pergunto a você: Sua família tem comunhão com a Igreja? Paulo nos instrui: “Assim também nós, embora sejamos muitos, somos um só corpo em Cristo e membros uns dos outros.” (Rm 12.5). Eis a grande importância da comunhão. Comunhão na Igreja significa pertencer, como membro imprescindível do Corpo de Cristo. Vamos juntos à Casa do Senhor!


 

Rachel Michelle Joy

Missionária de Asas de Socorro e

Membro da 2ª Igreja Cristã Evangélica de Anápolis - GO

Comments


bottom of page