top of page

POR QUE JESUS VEIO AO MUNDO?

Fiel é a palavra e digna de toda aceitação: que Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal. 1Tm 1.15.

 

Jesus é o mais famoso de todos os homens que já existiram, o nome mais falado, a personagem mais citada, o centro de nossa religião, a maior inspiração de nossas músicas e o melhor referencial de amor sobre a face da terra. Mas será que é só isso? Certamente que não.


A Bíblia não descarta as palavras superlativas ao se referir a Jesus, mas ela o aponta como Salvador, como o único que pode perdoar pecados e livrar uma alma do inferno eterno. Qualquer referência menos que isso não o dignifica. O verso acima vai além de uma apresentação de Jesus apenas como uma figura especial. Para Paulo, a vinda de Jesus, o Natal, tem ao menos três significados.


O primeiro é o de que a vinda de Jesus é cumprimento das Escrituras. Jesus foi anunciado no Antigo Testamento de maneira clara e exaustiva. Ele estava na criação, estava na Arca, na promessa de Deus a Abraão, no cerimonial do Antigo Testamento, no Tabernáculo, nos sacrifícios de animais, no sangue derramado, nas visões dos profetas, nos Salmos. Paulo tem esta compreensão parafusada entranhada em sua mente: a Palavra de Deus é digna de toda a aceitação, diz ele. De outra forma, ele apela para crermos no que Deus já anunciou sobre o seu Filho em toda a Escritura. O próprio Senhor Jesus ajuda nesta compreensão ao dizer: Examinai as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna, e são elas mesmas que testificam de mim (Jó 5.39).


Desta forma, com o coração cheio de fé, devemos entender o Natal como o cumprimento de toda a Escritura. As maravilhosas promessas de Deus em enviar um Salvador se cumpriram com a vinda de Jesus até nós.


A vinda de Jesus também é histórica. Jesus de fato veio até nós, diz Paulo. O criador veio até à criação, o grande ao pequeno, o infinito ao finito, o rico ao pobre, o santo ao pecador. De fato, Jesus habitou entre nós, cheio de graça e verdade e a sua glória foi vista (Jo 1.14). Ele andou em nossas ruas, comeu do nosso pão e bebeu de nossa água. Veio nascido de mulher (Gl 4.4). Paulo não nos permite qualquer dúvida de que Jesus foi uma personagem real de nossa história. Ele esteve aqui. Mas não somente isso: Ele veio para salvar. Ele não veio como um profeta qualquer, ou como um anjo; Ele veio como Deus; e como Deus, se encarnou, e na junção de duas naturezas, humana e divina, Ele pode nos salvar. Ele foi Deus o tempo todo e homem o tempo todo. Essa revelação levou o Apóstolo Paulo a fazer, mais adiante, a mais profunda de todas as declarações: Porquanto há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem (1Tm 2.5). Que bênção maravilhosa é esta revelação.


E, a vinda de Jesus é pessoal. É impressionante que Paulo, ainda neste pequeno verso das Escrituras, faz a ligação entre a revelação das Escrituras, a vinda de Jesus e a sua própria salvação. Em resumo, seria assim: As Escrituras prometeram o Salvador; o Salvador veio de fato; e o Salvador realmente salva, visto que me salvou. Em várias ocasiões Paulo testemunhou de seu encontro com Cristo. Ele fez isto diante de irmãos que queriam conhecê-lo melhor e diante de autoridades.


O Senhor do universo, a razão de todas as coisas, o sustentador da criação, o Filho de Deus, é um Deus pessoal. Ele salva o pecador, Ele livra do inferno e Ele conduz para Céu. O que Cristo fez por nós não devemos ser escondido, pelo contrário, deve ser compartilhado o tempo todo e para o mundo inteiro. Talvez a melhor forma de celebrar o Natal seja compartilhar da salvação que se instalou em nosso coração por Jesus.


A vinda de Jesus é bíblica (“Fiel é a Palavra”); é história (“Jesus veio ao mundo”) e é pessoal (“eu sou o principal”). Que declaração maravilhosa!


Feliz Natal!


 

Pr. Luiz César N. Araújo

Presidente da ICEB

Comentarios


bottom of page